Prejuízos com o monopólio da Cigás motivou saída da Petrobras no Amazonas, afirma deputado


O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Josué Neto afirmou nesta segunda-feira (29), que a Petrobras está saindo do Amazonas porque sempre teve prejuízo em relação ao monopólio da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás) e uma função social, onde sempre explorava o gás na Bacia do Urucu e entregava para companhia de serviços públicos.


“A Petrobras sempre teve prejuízo no Amazonas. Em alguns Estados a Petrobras ganha dinheiro, em alguns estados a Petrobras ganha pouco dinheiro e em outros estados ela perde pouco dinheiro, mas no Estado do Amazonas ela perde muito dinheiro porque suas operações são subsidiadas e ela paga para trabalhar no Amazonas isso há muitos anos”, afirmou o parlamentar.


Segundo Josué, nos últimos dois anos (2018 e 2019), “a Cigás não investiu um real na capital amazonense, ou seja, a empresa não explora o gás, nem muito menos tem interesse de explorar o gás do Amazonas”. Ele reforçou que já abriu mão da lei que seria resultado do projeto de sua autoria e disse que aguarda o Governo do Estado enviar uma nova proposta de lei ao Parlamento.


“Precisamos fazer com que os serviços continuem sendo prestados e a partir da Lei do Gás, não mais aquela lei que eu apresentei em março nesta Casa, isso é passado, já passou, a página já virou. Tem muita gente querendo criticar o Josué por causa da minha lei, não, no final o objetivo é de abrir o mercado. Minha lei é apenas um detalhe. Mas que venha do Executivo, a partir dessa Comissão que ele criou, a lei para abrir o mercado porque agora mais do que nunca, com a saída da Petrobras, vai obrigatoriamente abrir o mercado”, explicou o presidente do Poder Legislativo do Amazonas.



*Com informações da assessoria

0 visualização

Siga o Poder nas redes sociais

  • Facebook
  • Instagram

© 2020. Poder Amazonas